22 de fev de 2010

JEE 6 está bombando de novidades!




A especificação JEE foi finalizada em Dezembro de 2009, trazendo algumas características novas e outras atualizadas para o mundo do desenvolvimento de aplicações corporativas. Temos por exemplo, a introdução de um novo conceito: a abordagem por perfis (profile approach), que foca nas divisões por áreas de interesse entre os desenvolvedores de aplicação, sendo o Web Profile o primeiro profile definido pelo expert group, o qual objetiva fornecer o mínimo de esforço de configuração aos desenvolvedores de aplicação web típicas. O objetivo deste post é dar uma breve descrição das novidades que pesquisei e achei mais interessantes. Espero que gostem.
Um pouco das principais novidades do web profile:

- Servlet 3.0:

Em frameworks web, os servlets são comumente utilizados como um ponto de entrada da aplicação para processar as requisicões, poderiamos dizer então que eles são o núcleo de aplicações web. A nova versão 3.0 (JSR-315) oferece características inovadoras, tais como as anotações pertinentes a esses tipos de classes, tal como a @Servlet, @ServletFilter e @ServletContextListener, permitindo ao desenvolvedor, criar a classe como se fosse um POJO, uma classe simples, que não se prende à implementação das interfaces como era requerido nas versões anteriores. Com isso também são fornecidas uma maior flexibilidade e extensibilidade, já que ao integrar a sua aplicação a um framework MVC, você não precisaria de configurações extras. 

- Integração entre XML's de configuração:

Arquivos xml dos frameworks agora podem vir dentro de seus próprios arquivos JAR, já que temos uma interessantíssima novidade aqui: o contêiner JEE6 também agora tem a responsabilidade de "unir" todos os arquivos que se referem a fragmentos web.

- Java Server Pages (JSP) na versão 2.2;


- Expression Language (EL) também em sua versão 2.2;


- Bibliotecas padrão para o JSP (JSTL) na sua versão 1.2;


- Java Server Faces (JSF) na versão 2.0:

Desde que a release do JSF 1.x saiu, o JSF foi apontado como um dos frameworks mais promissores do mercado. A sua fama entusiasmou desenvolvedores ao redor do mundo todo, fazendo com que fosse crescendo em inúmeras características agregadas, tais como componentização, validação, navegação, suporte à internacionalização (também conhecido como i18n) entre outras. No entanto, com todas essas características benéficas, algumas falhas e desvantagens foram ficando mais evidentes com o passar do tempo, tal como o quão é considerado complicado criar tarefas simples através da criação de componentes customizados.  A versão 2.0 vêm com o objetivo de remediar tais falhas facilitando o desenvolvimento e introduzindo novas características, tais como suporte a ajax integrado, os quais eram realizados apenas por implementações específicas e não propostas pela especificação JSF em si.


Algumas das grandes novas características do JSF 2.0:
  • Composição de componentes





Para implementar componentes customizados utilizando JSF 1.x era realmente uma tarefa nada simples. Você teria que implementar um componente visual (UI componente) e a classe tag, com a opção também de um Renderer para a marcação e então configurar tudo isso dentro do arquivo faces-config.xml e arquivos tld (Ufssss pausa pra retomar o ar!!!). JSF 2.0 simplica isso tudo através da abordagem de componentes compostos introduzidas com o Facelets.




  • Suporte integrado a Ajax



Agora você pode utilizar-se dos poderes do ajax com toda sua API e infra-estrutura através das tags f:ajax sem se importar com a tecnologia em particular que está realizando essa implementação.




  • Manutenção de estado de objetos





JSF 2.0 vem com uma solução para manipular requisições particulares com classes tais como PartialViewContext e PartialStateHolder, fazendo o uso de mecanismos responsáveis por guardar o estado dos objetos manipulados nessas requisições parciais. Isto já havia sido implementado antes pelo uso do Apache Trinidad, porém, estas novas classes provêm uma maneira mais elegante de realizar tal manipulação. O objetivo é ter uma versão "leve" do estado salvo para ir e voltar nas navegações de páginas web.




  • Novos escopos





Em adição ao escopo de página (page), requisição (request), sessão (session) e aplicação (application), JSF 2.0 também introduz os chamados escopos View e Flash. Os beans cujo escopo é de View têm um ciclo de vida que é maior que uma requisição, mas é menor que beans no escopo de sessão. Já os escopos Flash são como os escopos View que irão viver dentro de uma determinada view, incluindo redirecionamentos, e que serão removidos se você os estiver movendo para uma outra view.




  • Navegação



No JSF 1.x toda regra de navegação deveria ser adicionada ao facez-config.xml. Com a versão 2.0, navegações implícitas também podem ser usadas, no caso de uma saída retornada por um método do bean corresponder a um view id de mesmo nome. Agora também é possível se fazer navegações condicionais dentros das tags navigation-case através de marcações de expressões regulares dentro do face-config. A versão 2.0 também provê facilidades para requisições via método GET para os componentes h:link and h:button, suportando a integração de parâmetros na requisição. O benefício de se usar tais componentes é o de tornar suas páginas passíveis de serem adicionadas aos favoritos (bookmark).




  • Configuração com Annotations

Você pode agora anotar seus beans com as novas anotações @ManagedBean e pode também       especificar o escopo do bean através das anotações @RequestScoped, @SessionScoped, @ViewScoped, @NoneScoped entre outras.


Outras novidades:

- Enterprise JavaBeans (EJB) 3.1 Lite;

- Java Transaction API (JTA) 1.1;

- Java Persistence API (JPA) 2.0;

Na minha opinião, as principais características desta release são a nova API para queries criteria e o suporte à validações. 

- Contexts and Dependency Injection (CDI)

Em atendimento à Java Specification Request JSR-299, o propósito desta especificação é unir o modelo de componentes do JSF Managed-Beans com o modelo de componentes EJB, proporcionando um modelo de fácil implementação para aplicações web. CDI também torna possível para outros componentes JEE interagirem uns com os outros usando o design pattern Observer. Isto nos facilita, por exemplo, integrar enterprise beans com suporte transacional, através do lançamento de eventos de um para o outro. JSR 330 também se tornou parte do JEE 6, oferecendo um conjunto de anotações padrão que podem ser usadas para a injeção de dependência, como por exemplo, as @Named, @Inject, @Qualifier entre outras. A WELD é a implementação de referência para o CDI.

- Bean Validation and Hibernate Validator

A Bean Validation, JSR 303, define uma modelo de metadados e uma API para validação de beans. Sua implementação de referência é a Hibernate Validator que, em sua última versão, adiciona alguns recursos legais, tais como agrupamento de validações, integração nativa com JPA 2 e JSF 2, além de um conjunto de anotações novas.


É isso aí pessoal, isso aqui foi só uma palinha do que de mais novo está acontecendo dentro das implementações corporativas Java, e como vocês puderam notar, JEE 6 vem bombando de novidades que aparentemente demonstram o quanto esta arquitetura vêm evoluindo em uma tendência a padronizar o que já vem sendo escrito por diversos frameworks: abordagem que exigem menos configurações e alto nível de acoplamento automático de implementações independentes. Na página da Sun vocês podem conferir a lista completa. 

Agora é só esperarmos a comunidade java agitar com seus primeiros projetos para que a quantidade de exemplos e tutoriais aumentem!

E vocês, podem citar outras importantes novidades do JEE 6?

Um grande abraço e até o próximo post! ;)



.

2 comentários: